Comunicação Não-Violenta e Seus Inúmeros Benefícios


Quer aprender a tocar teclado sem sair de casa? Então conheça o curso Aprenda Teclado Já!

Apaixonado pela arte da comunicação, Marshall Rosenberg desenvolveu a Comunicação Não-Violenta, método que mudou (e ainda muda) a vida de muitos.

A comunicação verbal é um dos pilares para a existência da humanidade e também a base fundamental de qualquer relacionamento interpessoal. Analisando com cuidado a importância deste pilar, Marshall Rosenberg realizou intensas pesquisas inspiradas em Mahatma Ghandi para desenvolver a Comunicação Não-Violenta.

Marshall Rosenberg e a Comunicação Não-Violenta

Marshall Rosenberg

Marshall, percebendo o quão eficaz é a comunicação empática, elaborou formas de se comunicar que podem evitar em quase 100% as chances de surgimento de falhas e confrontos na comunicação.

O melhor de tudo: a Comunicação Não-Violenta pode ser aplicada em nosso cotidiano sem problema algum e melhora a qualidade dos relacionamentos de forma surpreendente. Imagine quantas discussões você poderia/poderá ter evitado com um método deste?

A Comunicação Não-Violenta, apesar de apresentar um conceito simples, merece diligente estudo. Não trata-se apenas de responder a grosseria com a mansidão, mas também de analisar todo o contexto e se colocar no lugar do indivíduo.

A Comunicação Não-Violenta tem como base a empatia

Rosenberg cita em seus estudos quatro análises que devemos aplicar em nossos argumentos durante a comunicação:

  • O que estou dizendo/respondendo tem a ver com uma observação ou um julgamento? Estou alertando ou julgando?
  • O que estou dizendo/respondendo tem a ver com uma opinião ou sentimento? Estou opinando ou dizendo algo baseado somente em minhas emoções?
  • O que estou dizendo/respondendo tem a ver com uma necessidade ou estratégia? Falo de uma carência real ou estou aplicando algum truque?
  • O que estou dizendo/respondendo tem a ver com um pedido ou uma ameaça? Estou pedindo um favor ou exigindo a todo custo?

A Comunicação Não-Violenta nos faz refletir se aquilo que estamos dizendo é vantajoso apenas ao ego ou ao coletivo. A maioria esmagadora das discussões não construtivas surgem devido à guerra de egos e não à busca de um objetivo comum.

Em suma, poderíamos afirmar que a Comunicação Não-Violenta poderia se resumir em um único pensamento: o que estou dizendo para o outro, se dito para mim, poderia me ferir? Se a resposta for sim, então mude sua forma de dizer.

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.”
Provérbios 15:1

► Compartilhe:

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *