Testes Psicológicos

Ilha de Utoya e o Terrível Atentado de 22 de Julho

Até que ponto uma pessoa fascinada por seus ideais pode ir? Conheça a chocante história do massacre na Ilha de Utoya em 22 de Julho.

No dia 22 de Julho de 2011 dois atentados à Noruega ficariam mundialmente conhecidos por tamanha frieza e relação a guerras ideológicas. Infelizmente muitas famílias perderam entes queridos na cidade de Oslo e na Ilha de Utoya.

O primeiro atentado ocorreu na cidade de Oslo por volta das 15 horas onde houve uma enorme explosão próxima ao prédio onde trabalhava Jens Stoltenberg, primeiro-ministro do país, que ocasionou a morte de oito pessoas. Jens sobreviveu.

Jens Stoltenberg e o atentado à Ilha de Utoya

Jens Stoltenberg, primeiro-ministro norueguês.

O evento já seria imensamente trágico se terminasse neste ponto, porém, a pior parte veio a seguir.

Na Ilha de Utoya, aproximadamente 500 pessoas estavam acampando e participando de um evento político, evento este organizado pelo mesmo partido de Jens Stoltenberg, o Partido Trabalhista Norueguês (conhecido como Arbeiderpartiet).

Ilha de Utoya

Ilha de Utoya

Pouco tempo depois dos atentados aos prédios de Oslo, Anders Breivik, jovem norueguês e neonazista declarado, adentrou a ilha. Vestido de policial e fortemente armado, iniciou uma perseguição contra os participantes do evento na ilha.

Anders Breivik, assassino do massacre na Ilha de Utoya

Anders Breivik

Disparou contra várias pessoas e tirou a vida de aproximadamente 68 pessoas (algumas vítimas estão desaparecidas). Ficou claro o fato de que sua intenção era, também, matar Jens Stoltenberg que tinha presença marcada ao evento.

Anders foi capturado pela SWAT 40 minutos após o início do massacre. Condenado a 21 anos de prisão, Breivik fez a saudação Nazista ao ouvir sua sentença e ainda pediu desculpas aos seus seguidores por não ter matado mais pessoas.

Anders Breivik ao ouvir a sentença pelo massacre na Ilha de Utoya

Após algum tempo de investigação, foi provada a relação de Anders com os atentados em Oslo também, mesmo havendo várias suspeitas sobre o envolvimento de grupos islâmicos, o que foi desmentido pelo próprio assassino.

As intenções de Anders eram evidentes: eliminar todos aqueles que compartilhavam da mesma ideologia política do Partido Trabalhista Norueguês, e seu principal objetivo era eliminar a vida de Jens Stoltenberg.

Quanto às crenças religiosas de Breivik, apesar de divulgado na mídia como crenças cristãs fundamentalistas, o próprio Anders intitulou-se como seguidor de Odin, um dos deuses da Mitologia Nórdica.

Até hoje a Ilha de Utoya é conhecida por presenciar um dos eventos mais desesperadores em relação a brigas políticas e ideológicas.

Leia Também:

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *