Poder da Sugestão e Como Isso Pode Te Prejudicar


Quer aprender a tocar teclado sem sair de casa? Então conheça o curso Aprenda Teclado Já!

A sugestão mental pode ter efeitos destruidores sobre a mente humana. Devemos ficar atentos a todo momento e conhecer mais sobre o poder da sugestão.

Provavelmente você em alguma altura da vida ouviu falar na tão temida “gravidez psicológica”, certo? Este é só um pequeno exemplo do poder impressionante que o a crença convicta possui sobre o organismo. Partindo daqui, entenderemos o poder da sugestão.

Poder da sugestão na gravidez psicológica

Assim como através do Efeito Placebo ou Efeito Nocebo nosso organismo gera reações despertas a partir de um engano, a sugestão também é capaz de enganar com maestria todo o organismo após receber alguma sugestão.

A hipnose, por exemplo, pode provocar no ser humano ilusões de todos os tipos. Assim também, uma sugestão bem implantada na mente do homem é capaz de modificar praticamente qualquer coisa dentro do mesmo.

Para ficar mais claro, vamos usar como exemplo as propagandas de televisão. Elas, em sua esmagadora maioria, tentam dar ao seu inconsciente alguma sugestão, por exemplo, “peça baton”, “adquira já o seu ingresso”, “compre antes que acabe”.

Propaganda Baton e o poder da sugestão

Muitos especialistas em marketing audiovisual sabem bem que com uma boa propaganda cheia de estímulos distrativos é possível instalar várias sugestões em seus espectadores. São truques como estes que alavancam as vendas.

Mas aqui iremos tratar sobre os poderes destrutivos das pequenas sugestões do cotidiano. Estas humildes sugestões passam despercebidas por nós na maioria das vezes, e seus efeitos podem gerar sequelas duradouras.

João, trauma e o poder da sugestão

Imaginemos que João tomou um banho caprichado antes de ir ao trabalho. João, durante a infância, passou por um evento humilhante em sua escola, pois em um dia pacato “se borrou” acidentalmente e toda classe sentiu o forte odor.

A mente de João já tem uma pré-disposição para relembrar tal fato.

Durante este mesmo dia comum de trabalho, alguém encontra João e durante uma brincadeira simples o chama de “fedido”. Isto foi interpretado como uma sugestão para João, a sugestão de que ele realmente está cheirando mal.

Esta sugestão penetra os pensamentos de João de maneira tão profunda que ele realmente começa a sentir um cheiro desagradável e tem a certeza de que realmente está exalando algum mal cheiro.

Ou seja, o próprio cérebro de João entende que existe algum cheiro ruim no ar, mas na realidade não há nenhum cheiro anormal no ambiente. Sim, o cérebro tem este poder, lembra da gravidez psicológica citada no início deste artigo?

Agora é o momento em que você deve refletir sobre quais sugestões você tem acatado no dia-a-dia.

Se alguém te chama de feio(a), chato(a), gordo(a), magro(a), etc., como você reage? Deixa tal sugestão entrar como se fosse a única e total verdade?

Pare e pense sobre o quanto seu próprio cérebro tem te enganado ultimamente. Talvez você seja uma vítima de si mesmo e não tenha noção disto.

“Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.”
Filipenses 4:8

Já experimentou os resultados da sugestão mental alguma vez e se deu conta? Deixe nos comentários.

 

► Compartilhe:

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *